• Nádia Carvalho Nunes

Como facilitar a transição para uma dieta de base vegetal?


Seja por razões de ética animal, sustentabilidade ou saúde, cada vez mais pessoas adotam dietas de base vegetal. Este estilo de alimentação tem crescido em popularidade, o que tem aumentado a acessibilidade de produtos alternativos, que tanto nos facilitam a vida. Se estás a ler este post, é possível a estejas a ponderar ou já tenhas tomado a decisão de adotar uma dieta de base vegetal. Talvez te sintas perdida ou assoberbada com as alterações que precisas de fazer. Isso é completamente normal: afinal, trata-se de uma grande mudança nos nossos hábitos, uma aprendizagem de novos sabores e formas de cozinhar. A pensar nisso, aqui ficam sete dicas para te ajudar nesta fase:


1. Percebe as tuas motivações: Em primeiro lugar, é muito importante que tenhas uma ideia muito clara das razões que te levam a querer mudar a tua alimentação. Para seres mais saudável? Para poupar o ambiente? Pelos direitos dos animais? Todas estas? Qualquer uma destas hipóteses é válida, mas se tiveres presente aquilo que te move, será mais fácil continuares neste caminho.


2. Conhece os factos: Esta é uma continuação da primeira recomendação. Imagina que as tuas motivações são ambientais. Não é suficiente termos uma ideia vaga de que comer carne afeta negativamente o planeta, é preciso sabermos de que forma o faz, e como é que uma dieta de base vegetal pode ajudar. Calma, não precisas de te tornar uma cientista! Mas não só é importante para te manteres motivada, como, munida de factos, podes inspirar outras pessoas.


3. Consulta um/a nutricionista: É mesmo muito importante. É perfeitamente possível ser saudável numa dieta de base vegetal, mas terás de aprender a fazer substituições. Por exemplo, sabes que as bebidas vegetais não têm as mesmas propriedades nutricionais do leite de vaca? Um nutricionista é uma ajuda essencial numa fase inicial.


4. Experimenta restaurantes vegetarianos: Se não estás familiarizada com a culinária vegetariana, aconselho-te vivamente a visitar restaurantes. Não só vais ficar com uma ideia da imensa variedade de pratos, sabores e combinações possíveis, como vais poder provar ingredientes como tofu, seitan e tempeh bem confecionados. Isto vai ajudar-te a perceber o que deves fazer quando estiveres a cozinhar em casa.


5. Adapta os teus pratos favoritos: Talvez sejas aventureira e revolucionária na cozinha – fantástico, liberta a tua criatividade! Se, por outro lado, tens dificuldade em perceber que pratos preparar, experimenta adaptar pratos que já conheces e adoras. Gostas de bacalhau à Brás? Troca o bacalhau por alho francês! Bolonhesa é o teu prato favorito? Faz tudo igual, trocando a carne picada com tofu fumado.


6. Experimenta as várias alternativas: Não desistas se não gostares da primeira coisa que provas. Se experimentaste bebida de soja e não gostaste, experimenta outra: arroz, coco, aveia, amêndoa, etc. Até a mesma bebida vegetal pode variar bastante entre marcas! De igual forma, alimentos como o tofu e o seitan não têm todos o mesmo sabor e qualidade. Pode ser preciso um processo de tentativa e erro até descobrirmos aquilo que gostamos.


7. Por último… respeita o teu ritmo! Podes adotar uma dieta de base vegetal de um dia para o outro, ou pode ser um processo mais demorado. Seja como for, é válido. Lembra-te que é preferível uma transição vagarosa feita com confiança em cada passo que uma transição rápida às escuras.


Estes são os conselhos que gostaria de ter ouvido quando comecei a minha transição para uma dieta de base vegetal. Espero que te sejam úteis!


Nádia Carvalho Nunes | Antropóloga e feminista


Instagram da Nádia: @nadiacarvalhonunes